terça-feira, 22 de abril de 2014

GREVE LEGAL X INTERESSES PESSOAIS entre alguns que brigam contra o sindicato e outros que querem se beneficiar a si mesmo, e a categoria ficou onde nesta luta?

Segue aqui uma simples e humilde opinião de um servidor que ficou , fica e ficará de fora desta batalha sindicato x oposição.
Ainda que jamais eu tenha deixado de me expressar quanto ao que acho que seria mais certo ou mais próximo de um ideal para toda nossa categoria, não posso deixar também de dar minha opinião quanto ao que vem sendo feito por algumas pessoas do nosso omisso e de baixa representatividade sindicato, para ser mais específico do setor jurídico de nosso sindicato que após esta nova diretoria nada, exatamente nada foi feito para que pudéssemos surtir um efeito positivo para nossa categoria, ou seja o que houve foi totalmente ao inverso disso, nosso jurídico continua impotente por não ter um bom comando com conhecimento e experiência em causas voltadas a nossa categoria,pois ao meu ver e ao meu entender não basta colocar uma pessoa que tenha uma formação em direito, mas sim colocar uma pessoa que tenha uma formação em plenos conhecimentos jurídicos que sejam necessários para nossa categoria ainda que esta formação seja adquirida na rua, nos livros em acompanhamentos de audiências ou em qualquer outro lugar desde que esta pessoa esteja familiarizada com as realidades que lhe são atribuídas, que tenha no mínimo responsabilidades de não perder prazos de audiências, decisões marcadas junto aos desembargadores no TRT, pois é, não foi isto que pudemos ver e sentir nesses últimos dias pois tudo isso aconteceu pela a inexperiência e falta de responsabilidade do atual diretor jurídico que se encontra em nosso sindicato contratando serviços de operadores de direito por valores absurdos por dia trabalhado, isso é pago com nosso dinheiro companheiros e não podemos aceitar de forma alguma que continuem com essas lambanças, sei que há pessoas sérias e de tamanha responsabilidade dentro desta instituição chamada SITRAEMFA, porém nada fazem por estarem simplesmente algemadas por aqueles que lutam por interesses próprios e não por nossa categoria.
Não posso dar minha opinião somente dos que se encontram no sindicato, mas também dos que estão fora dele e que de alguma forma lutam por interesses pessoais e políticos, temos muitos companheiros que lutam verdadeiramente pelos direitos de nossa categoria mas acredito que deveríamos abrir mais e mais nossos olhos e nossos ouvidos para que venhamos prestar melhor atenção em tudo que está havendo nesses dias de greve.
Para que possa finalizar minha humilde interpretação quanto a tudo isso que está havendo, gostaria de deixar aqui uma pergunta: E a categoria, como ficará no meio deste caminho de brigas , lutas agressões e demais baixarias que estamos vendo em nosso dia a dia? Quem deveria ou quem está orientando a categoria quanto aos riscos que estamos correndo? A greve pode ser julgada ilegal, se sim o que a categoria irá perder com isso? E os que estão em estágio probatório serão demitidos, nem todos são filiados ao SITRAEMFA nesse caso quem irá representá-los juridicamente? Será que não iremos passar mais uma vez pelo que passamos em  2005, por uma demissão em massa por mais uma vez ao invés de lutarmos juntos e unidos por nossos direitos conforme citados em pautas de assembléias, foi tudo falado em mesa de negociação, só que na hora de falar lá no TRT nossos representantes não disseram que precisamos melhores condições de trabalho, mais segurança dentro e fora dos centros de atendimento, um plano de carreira que contemple nossas necessidades, um melhor valor de VR e VA, a diminuição do custo de nossos plano médico, capacitações e qualificações contínuas para toda nossa categoria que sejam condizentes a nossas realidades atuais, uma corregedoria que seja totalmente imparcial, um salário digno para nossa categoria, reconhecimento automático de nosso quinquênio, a mudança deste maldito bônus para um décimo quarto definitivo, uma gestão melhor preparada e concursada e não de cargos comissionados, em fim, acredito que temos tantas coisas para lutarmos e ficamos desperdiçando nosso tempo e nossa garra nos digladiando uns contra os outros e dando exatamente o que o patronal torce por acontecer, será que isso é agir com inteligência e sabedoria? Pois uma vez que são chamados de liderança acredito que no mínimo não podem dar trelas a este tipo de situação, ou estou errado? O verdadeiro líder não é aquele que está a frente de uma multidão e sim aquele que toma a frente do que tem de ser feito para que tal multidão não se deixe a deriva e permaneça respeitando uma liderança e suas diretrizes após serem detalhadas e acordadas em conjunto a multidão.
Deixo aqui minha opinião e meu entendimento de tudo que vem acontecendo e peço a todos que se façam prevalecer a verdade e se assim for ao final de tudo isso eu ajudarei a aplaudir seja quem for por nossa vitória,
um forte abraço a todos(as) e que DEUS nos abençoe.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

A LUTA, a união e a garra de todos nós é que fará a diferença neste momento,GREVE GERAL dos servidores da Fundação CASA do estado de São Paulo continua após audiência de conciliação entre instituição e servidores.

Nós Blogueiros, comissão de negociação, frente de batalha e demais lideranças que lutaram e lutam para uma condição melhor de trabalho para nossa sofrida e açoitada categoria não podemos deixar de agradecer e parabenizar o total apoio e pela a fortíssima união de todos(as)companheiros(as) que aderiram este árduo,  mas porém necessário movimento de paralisação (GREVE) para que venhamos reivindicar e fazer valer nossos direitos de trabalhadores que esta atual gestão governamental e institucional vem há anos tentando nos tirar a cada dia mais, nos açoitando e nos atrocidando de forma ilegal, injusta e desumana, há anos estamos avisando de suas irregularidades, de seu autoritarismo, de seus assédios morais, de um salário quase que ilusório diante das atribuições que prestamos como servidores públicos e principalmente das péssimas condições de trabalho(falta de segurança total nas unidades de atendimento) por termos um baixo efetivo funcional sem treinamento contínuo e que atendam as necessidades atuais conforme o nível de menores infratores que atendemos hoje em dia e não mais como acham os de dez anos atrás, a criminalidade mudou ela se atualizou e o sistema arcaico não se atentou a isso deixando nós servidores totalmente desatualizados e despreparados para atendermos as demandas atuais impostas por facções criminosas que já é de conhecimento geral de todo o estado e da sociedade suas ações dentro e fora dos presídios e unidades de atendimento socioeducativo do estado de São Paulo e de todo o Brasil.

Chega não iremos mais aceitar as migalhas oferecidas pelo governo atual, nós servidores acordamos e agora iremos até o final para que possamos juntos obter nossa vitória e para que desacreditou da nossa união e de nossa capacidade de luta que se prepare, acreditamos que a luta ainda está somente iniciando e a cada dia nossas forças estão sendo fortemente renovadas simplesmente por acreditarmos que a justiça será devidamente feita, parabéns a todos(as) e juntos, unidos mais que nunca mostraremos que somos mais fortes que qualquer mau feitor que ainda queira nos açoitar.

Um forte abraço a todos(as) e que DEUS nos abençoe.
 São Vicente, Itanhaém, Peruíbe,Mongaguá e Guarujá
UAISAS VL. Maria

Lins
Casa Esperança
Casa São Bernardo

A todas as dezenas de unidades que estão fortemente dentro deste movimento deixamos nosso forte abraço e nossos parabéns pela luta.

terça-feira, 15 de abril de 2014

APÓS audiência de conciliação no TRT 2ª região, a GREVE CONTINUA, vejam.



CAROS COMPANHEIROS E COMPANHEIRAS, SOBRE A GREVE E REUNIÃO NO TRT HOJE.
Companheiros (as) vou dar uma pincelada sobre a reunião no TRT, os detalhes os companheiros poderão acompanhar no0 Blog agentes em alerta que esta fazendo uma matéria explicativa.
A assembleia de hoje, decretou a continuação da greve, pois a proposta da Fundação da Forma que foi feita não foi aceita pela maioria absoluta dos Trabalhadores.
Foi desconstituída a Comissão Anterior, e foi eleita uma comissão com a finalidade de compor a mesa do TRT e levar as demandas que não haviam sido apresentadas, tal como a segurança.
O resultado todos podem ver na ata já postada nas redes, e verifica-se lá que, não há acordo na proposta apresentada, deliberando assim os trabalhadores sobre permanecerem em greve.
O diferencial desta para a outra é que ali foi apresentado o porquê os trabalhadores não retornam ao trabalho, pois a segurança e condições de trabalho não nos permite cumprir a liminar.
Por tanto a greve vai ser julgada dia 23.04e até lá devemos ampliar a mobilização, e fazer atividades pontuais. A primeira vai ser amanhã na Assembleia Legislativa de São Paulo. A segunda é um acampamento com todos os trabalhadores de todo estado na porta do Complexo Bras.
È hora de mobilizarmos todos, de empregarmos toda energia para convencer o maior número de trabalhadores.
Quanto ao Sindicato, foi uma vergonha não estarem presentes na mesa de conciliação, pois se a comissão não tivesse insistido em ir para o TRT, teríamos ficado a revelia, podendo causar prejuízos irreparáveis para a luta da categoria.
Mais grave ainda, foi o Presidente do Sindicato desmobilizar a categoria afirmando que não teria Conciliação no TRT. Por conta a ausência do Sindicato, a Fundação quando ficou encurralada por conta do questionamento da segurança, esta tentou se safar alegando que não sabia com quem negociava se com o sindicato ou com a comissão, conforme em ata.
È hora da Direção do Sindicato amadurecer, deixar de lado o orgulho e as divergências e, lutar junto com os trabalhadores, pois o interesse maior nesse momento é a vitória da categoria.
Aproveito para agradecer de coração esta categoria e a todos os presentes na assembleia, pois ao lembrarem-se do meu nome para contribuir com essa categoria e ser eleito com o voto da maioria absoluta para a comissão, foi o maior e melhor presente de aniversário que recebi hoje ao completar meus 48 anos. De coração obrigado pela confiança e carinho. Para aqueles que sempre tentam manchar meu nome, fica ai a resposta, pois quem anda junto ao trabalhador de forma honesta e correta, jamais deixará este ferido na estrada, a lealdade é o bem maior desta categoria.
O Desembargado do TRT/SP 2º Região, na audiência de conciliação, pediu que os trabalhadores parassem com movimento grevista voltando ao ESTADO DE GREVE, com promessa da Fundação CASA não fazer retaliações aos grevistas e ainda pagamento dos dias parados. E mais, abertura de negociações no Núcleo de Dissídio Coletivos do TRT, para avaliar os itens da pauta de Campanha Salarial, convênio médico e proposta da Fundação CASA, que já foi rejeitada pela categoria. Na imagem Termo na integra:







sexta-feira, 11 de abril de 2014

GREVE, é direito do trabalhador não temam e não se excedam, façam uma greve legal e consciente.

Dtra. Joselane Pedrosa, advogada contratada pelo Sitraemfa e prestadora de serviços a rede conveniada , apoia os servidores da Fundação CASA.
Achei interessante esclarecer: 

Direito à grave.
O Direito á greve esta previsto na Constituição Federal, em seu artigo 9º e a Lei nº 7.783/89, assegurando ao trabalhador o direito à paralisação, buscando à garantia de direitos e obrigações.
desta forma, é considerado como legítimo o exercício de greve, com a suspensão coletiva temporária e PACÍFICA, total ou parcial, de prestação de serviços, devendo haver prévio aviso à empregadora com pelo menos 72 horas, sendo que nas atividades NÃO essenciais o aviso prévio deve ocorrer com 48 horas de antecedência.
São garantidos aos grevistas:
o uso de meios pacíficos tendentes a persuadir ou aliciar os trabalhadores a aderirem a greve;
A busca de fundos e a livre divulgação do movimento.
Todavia, há proibições que são:
Os meios adotados por empregados e empregadores em nenhuma hipótese poderão violar ou constranger os direitos e garantias fundamentais dos outros (colegas ou não)
A empresa não poderá adotar meios para constranger o empregado ao comparecimento ao trabalho, bem como capazes de frustrar a divulgação do movimento.
A manifestação e atos de persuasão utilizados pelos grevistas não poderão impedir o acesso ao trabalho nem causar ameaça ou dano à propriedade ou pessoa.
Atenção pessoal, cuidado com os exageros, mais não deixem de buscar melhorias sempre!
 

 


ASSÉDIO MORAL bombardeia servidores da fundação casa, diretores de unidade, encarregados de área e coordenadores que ocupam cargos comissionados assediam os demais servidores que apoiam o movimento de GREVE, cabe lembrar que greve é direito constituído por lei para o trabalhador então solicitamos aos(as) companheiros(as) que denunciem quando assediados.

ASSÉDIO MORAL CONTRA O EMPREGADO
Tão antigo quanto o trabalho, o assédio moral caracteriza-se por condutas que evidenciam violência psicológica contra o empregado.
Desta forma, expor o empregado a situações humilhantes (como xingamentos em frente dos outros empregados); exigir metas inatingíveis; negar folgas e emendas de feriado quando outros empregados são dispensados; agir com rigor excessivo e colocar "apelidos" no empregado são alguns exemplos que podem configurar o assédio moral.  

São atitudes que, repetidas com frequência, tornam insustentável a permanência do empregado no emprego, causando danos psicológicos e até físicos (como doenças devido ao estresse) ao empregado.  

Os distúrbios mentais relacionados com as condições de trabalho são hoje considerados um dos males da modernidade. Algumas das novas políticas de gestão exigem que as pessoas assumam várias funções, tenhamjornadas prolongadas, entre outros abusos. Para o empregado, não aceitar tais imposições é correr o risco de ser demitido já que dificilmente faltam substitutos.  

Ressalte-se que o assédio moral é repetitivo, ou seja, é caracterizado por ações reiteradas do assediador. Portanto, devem-se diferenciar acontecimentos comuns e isolados que ocorrem nas relações de trabalho (como uma "bronca" eventual do chefe) das situações que caracterizam assédio moral. Se constantemente a pessoa sofre humilhações ou é explorada, aí sim temos assédio moral.
Cadeia de Assédio
Além dos superiores hierárquicos, é comum os pares terem atitudes de humilhar seus colegas. Por medo, algumas pessoas repetem a atitude do chefe, humilham aquele que é humilhado ou ficam em silêncio quando vêm uma situação dessas. Mas os executivos também sofrem pressão. A cada ano eles têm que atingir metas mais ousadas em menos tempo e acabam transmitindo essa angústia para os demais. O problema é estrutural nas empresas. 

Uma das principais causas do assédio é o desejo do empregador em demitir o empregado. Para não arcar com os custos de uma demissão sem justa causa, o empregador busca criar um ambiente insustentável na expectativa de que o empregado acabe pedindo demissão.
Entre as pessoas que mais sofrem humilhações estão aquelas que adoecem por consequência do trabalho; as de meia-idade (acima de 40 anos) e são consideradas "ultrapassadas" em alguns ambientes; as que têm salários altos, porque podem ser substituídas a qualquer momento por um ou dois trabalhadores que ganhe menos; gestantes e os representantes eleitos da CIPA e de Sindicatos (que possuem estabilidade provisória).
Abaixo algumas situações que podem identificar um empregado que está sendo assediado:
  • Isolado dos demais colegas;
  • Impedido de se expressar sem justificativa;
  • Fragilizado, ridicularizado e menosprezado na frente dos colegas;
  • Chamado de incapaz;
  • Torna-se emocionalmente e profissionalmente abalado, o que leva a perder a autoconfiança e o interesse pelo trabalho;
  • Propenso a doenças;
  • Forçado a pedir demissão.
Citamos também algumas situações que podem identificar o agressor, podendo ser um chefe ou superior na escala hierárquica, colegas de trabalho, um subordinado para com o chefe ou o próprio empregador (em casos de empresas de pequeno porte): 
  • Se comporta através de gestos e condutas abusivas e constrangedoras;
  • Procura inferiorizar, amedrontar, menosprezar, difamar, ironizar, dar risinhos;
  • Faz brincadeiras de mau gosto;
  • Não cumprimenta e é indiferente à presença do outro;
  • Solicita execução de tarefas sem sentido e que jamais serão utilizadas;
  • Controla (com exagero) o tempo de idas ao banheiro;
  • Impõe horários absurdos de almoço, etc.
Vale ressaltar que não basta alegar o assédio, é preciso provar que foi assediado, sob pena da Justiça do Trabalho não reconhecer o direito. conforme se pode constatar em alguns julgados abaixo.
Julgados
No âmbito federal, o Brasil ainda não possui regulamentação jurídica específica, mas o assédio moral pode ser julgado por condutas previstas no artigo 483 da CLT.  

Na prática, os tribunais trabalhistas reconhecem o assédio quando caracterizado e comprovado por testemunhas, levando aos empregadores a pagarem indenizações elevadas.
Veja algumas notícias de julgados sobre o assunto:
Precaução
As empresas precisam se precaver, mediante orientação às chefias dos procedimentos para evitar quaisquer atitudes que possam caracterizar o assédio moral. Treinamento e conscientização são as principais armas contra este mal, além, é claro, do respeito constante aos trabalhadores.
Dentre as inúmeras medidas que o empregador poderá tomar para evitar ou coibir tais situações, citamos algumas: 
  • Criar um Regulamento Interno sobre ética que proíba todas as formas de discriminação e de assédio moral, que promova a dignidade e cidadania do empregado, proporcionando entre empresa e empregado laços de confiança.
  • Diagnosticar o assédio, identificando o agressor, investigando seu objetivo e ouvindo testemunhas.
  • Avaliar a situação através de ação integrada entre as áreas de Recursos Humanos, CIPA e SESMT.
  • Buscar modificar a situação, reeducando o agressor;
  • Não sendo possível, deverão ser adotadas medidas disciplinares contra o agressor, inclusive sua demissão, se necessário.
  • Oferecer apoio médico e psicológico ao empregado assediado;
  • Exige-se da empresa, em caso de abalos à saúde física e/ou psicológica do empregado, decorrentes do assédio, a emissão da CAT - Comunicação de Acidente de Trabalho.